O que são créditos de carbono para agricultores e como podem beneficiar a sua exploração?

Blog post 11 – manuel troya-featured image
4 Mai, 2023
— Arlene Barclay

Os créditos de carbono estão a ganhar força no mundo da agricultura.

Outrora um conceito pouco conhecido, muitos agricultores esperam agora tirar partido do seu enorme potencial.

Mas o que são realmente os créditos de carbono, como funcionam e, mais importante, como podem beneficiar a sua exploração agrícola?

Vamos dar uma olhadela.

 

O QUE SÃO CRÉDITOS CARBON+ PROVENIENTES DA AGRICULTURA?


Um crédito de carbono é um certificado que atesta que uma tonelada métrica de CO2 foi removida ou reduzida da atmosfera. Estes créditos assumem várias formas, incluindo créditos associados a processos naturais e créditos associados a processos tecnológicos.

No que diz respeito à agricultura, os créditos de carbono são gereados com base no CO2 que é removido da atmosfera e capturado no seu solo através da implementação da agricultura regenerativa.

Na sua essência, a agricultura regenerativa implica a melhoria dos sistemas agrícolas através da recuperação do solo.

Esta abordagem de gestão regenerativa inclui uma longa lista de benefícios, incluindo o facto de ser até 60% mais rentável do que os métodos agrícolas tradicionais ao fim de seis anos.

Para além disso, a recuperação da qualidade do solo também se traduz numa acumulação de carbono. Dessa forma, surgea oportunidade para os agricultores venderem Créditos Carbon+. Ao gerar um novo fluxo de receitas enquanto restaura o solo, pode simultaneamente aumentar a resiliência económica e ecológica do seu negócio agrícola.

COMO FUNCIONAM OS CRÉDITOS DE CARBONO?

Os Créditos Carbon+ podem ser comparados a qualquer outro produto da sua exploração agrícola.

Por exemplo, você cultiva a sua colheita e leva-a para o mercado, onde alguém a compra. Quando se trata de Créditos Carbon+, você implementa práticas na sua exploração agrícola que aumentam o carbono no solo, o qual pode ser vendido no mercado voluntário de carbono.

Além disso, se produzir uma colheita para vender, o comprador vai querer saber a quantidade e a qualidade da colheita. Os cerealistas realizam o controlo e a manutenção da qualidade para atingir padrões elevados.

O mesmo acontece com os Créditos Carbon+. Podemos considerar a Climate Farmers como o cerealista – neste caso os controlos de qualidade e quantidade são efectuados através de modelação científica e medição do carbono do solo. Ao mesmo tempo, também coordenamos as vendas no mercado para gerar as receitas pretendidas.

 

 

O PROCESSO DE INTEGRAÇÃO

O processo de geração de Créditos Carbon+ é simples e fácil, do início ao fim.

Primeiro, fornece algumas informações básicas sobre o seu negócio agrícola, tais como as suas práticas atuais, planos futuros e localização. Receberá então uma estimativa básica de quantos créditos de carbono pode gerar.

 

Depois disso, terá a oportunidade de participar numa chamada para obter respostas a quaisquer dúvidas que tenha. Se decidir prosseguir com a sua inscrição, envia-nos detalhes adicionais, tais como documentos legais e fotografias. Em seguida, preparamos e enviamos o seu contrato.

 

Depois de se inscrever, começa a implementar práticas regenerativas adicionais na sua exploração. Recolherá dados no terreno após um ano, enquanto a Climate Farmers realiza a primeira ronda de monitorização.

Usando estes dados, calculamos quanto carbono foi sequestrado e você recebe o seu primeiro pagamento.

QUE PRÁTICAS AGRÍCOLAS GERAM CRÉDITOS DE CARBONO?

Existem várias práticas agrícolas tipicamente associadas à gestão regenerativa. Muitas delas estão incluídas no nosso modelo Carbon+.

No entanto, é importante sublinhar que quando se trata de agricultura regenerativa, o contexto é tudo. O facto de uma determinada abordagem regenerativa ter sucesso numa exploração agrícola não significa que será bem sucedida noutra.

É crucial definir os seus objectivos comerciais, tendo em conta o seu modelo de produção, a topografia, o tipo de solo, o desenho da paisagem, as condições meteorológicas e os resultados económicos desejados.

Ao fazê-lo, a sua exploração agrícola pode prosperar ao máximo.

Para obter inspiração e conselhos sobre a implementação da agricultura regenerativa, pode juntar-se à Comunidade Climate Farmers.

O Pastoreio Adaptativo Multi-Paddock (AMP)

é uma forma de pastoreio rotativo em que um elevado número de animais pastam numa pequena área de terra durante um período de tempo curto. Em seguida, são concedidos longos períodos de repouso à terra para acelerar o crescimento e a recuperação da vegetação. O sistema imita o padrão natural de manadas densas de animais selvagens que se deslocam frequentemente devido às ameaças da predação e da disponibilidade de alimentos. Estudos científicos documentaram o enorme potencial dos métodos de pastoreio AMP para capturar carbono e melhorar a saúde do ecossistema.

 

A agrofloresta

é um termo abragente para sistemas de uso da terra em que espécies lenhosas perenes (árvores, arbustos, etc.) são deliberadamente combinadas com o cultivo de hortícolas ou as pastagens. A selecção de espécies baseia-se no contexto específico de cada exploração agrícola, nos resultados pretendidos e em considerações económicas. A agrofloresta proporciona vários benefícios, incluindo a geração de receitas adicionais, a melhoria da estrutura do solo e a captura de carbono.

 

As culturas de cobertura multi-espécies

referem-se ao cultivo de espécies que são utilizadas principalmente para melhorar o solo. Podem ser implementadas antes, durante ou depois de uma cultura comercial. As culturas de cobertura multi-espécies incluem três tipos de plantas, nomeadamente gramíneas, leguminosas e uma planta com flor. As culturas de cobertura mantêm o solo coberto para evitar a erosão, melhorar a estrutura do solo, regular a humidade e atrair uma abundância de biodiversidade. Deixar os resíduos da cultura de cobertura no terreno é muito benéfico pois reforça a acumulação de carbono orgânico no solo.

 

Os resíduos deixados no local

envolvem a incorporação de materiais orgânicos no terrenoapós a colheita da cultura, tais como caules, restolho, folhas e vagens de sementes. O objetivo é manter o solo coberto, limitar a perda de nutrientes e acumular matéria orgânica. Os resíduos de culturas são recursos importantes, não só como fonte de nutrientes para as culturas seguintes, mas também para aumentar o sequestro de carbono.

 

A aplicação de feno, palha, estrume e/ou composto

refere-se à aplicação directa de matéria orgânica. A adição de matéria orgânica melhora várias características do solo, incluindo a taxa de infiltração de água e a actividade biológica. Tem um impacto positivo na acumulação de carbono orgânico no solo e pode levar a um aumento da produtividade.

 

A redução/ausência de fertilizantes sintéticos

inclui a limitação da aplicação de fertilizantes sintéticos na exploração agrícola, nomeadamente à base de azoto. Os agricultores passam então a utilizar fertilizantes orgânicos, como o composto ou o estrume. A minimização da aplicação de fertilizantes sintéticos reduz as emissões de óxido nitroso e a lixiviação, limitando assim os impactos ambientais negativos, como a poluição das águas subterrâneas. É uma forma eficaz de reduzir as despesas com inputs e, ao mesmo tempo, aumentar a saúde da exploração agrícola em geral.

 

O plantio mínimo ou plantio direto

refere-se à limitação da perturbação do solo provocada pela lavoura, aração, fresagem, cinzelamento ou qualquer outra forma de cultivo do solo. Em vez disso, é utilizado equipamento de plantio directo para minimizar a perturbação. Os benefícios são múltiplos, incluindo o aumento da atividade biológica, a redução da erosão e uma melhor retenção de água.

 

A redução da utilização de combustíveis fósseis

implica a diminuição das emissões na exploração agrícola. Os Créditos Carbon+ são calculados a partir do carbono que remove da atmosfera e das reduções de emissões na sua actividade. Práticas de gestão como o plantio direto limitam o uso de combustíveis fósseis, enquanto a transição para a energia renovável também pode ser utilizada. Por sua vez, esstas práticas podem reduzir as despesas da empresa significativamente, e fazer crescer os Créditos Carbon+.

CONCLUSÃO

 

Desde maiores lucros, resiliência perante fenómenos climáticos extremos, maior disponibilidade de água e produtividade agrícola, os benefícios da agricultura regenerativa são inigualáveis.

Ao participar no nosso Programa Carbon+, pode melhorar a saúde da sua exploração agrícola e melhorar os seus resultados, enquanto benefícia de um novo fluxo de receitas para apoiá-lo ao longo do caminho.

Do you want support for implementing regenerative agriculture?