Como os agricultores podem cortar os laços com os fertilizantes sintéticos

Blog post 11 – manuel troya-featured image
8 Ago, 2023
— Arlene Barclay

O custo dos insumos amplamente utilizados na agricultura disparou.

Desde 2020, o World Bank estima que os preços dos fertilizantes aumentaram 80%.

Desde deixar os agricultores sem dinheiro até ao risco de redução dos rendimentos., o efeito está ter um impacto em todas as partes da cadeia alimentar

Um movimento crescente de agricultores está a transformar este desafio numa oportunidade. Através da agricultura regenerativa, é possível reduzir drasticamente os custos dos insumos e a dependência de fertilizantes sintéticos, ao mesmo tempo que se reconstrói o solo.

Neste blogue, vamos explorar o risco representado pelo aumento dos custos dos fertilizantes, o papel da agricultura regenerativa na sua mitigação e os resultados dos agricultores que a implementam.

O AUMENTO DO CUSTO DOS INSUMOS AGRÍCOLAS

A invasão da Ucrânia, a crise do custo de vida e a degradação do clima abalaram coletivamente o sector agrícola.

Desde 2020, os fertilizantes, alimentos para animais e combustíveis – registaram um aumento de preço.

A Rússia e a Bielorrússia são dois grandes exportadores de fertilizantes artificiais. A disponibilidade destes produtos diminuiu drasticamente devido às sanções comerciais que lhes foram impostas.

Os fertilizantes sintéticos à base de azoto desempenham um papel fundamental em muitos sistemas agrícolas modernos. Uma rutura na cadeia de produção pode ter enormes repercussões na produção, no rendimento e nos meios de subsistência dos agricultores.

AGRICULTURA REGENERATIVA: UMA SOLUÇÃO EMERGENTE

Não é segredo que o aparecimento de insumos artificiais remodelou a agricultura.

No entanto, esses mesmos insumos tiveram um enorme impacto nos ecossistemas, reduzindo a fertilidade e a função do solo, poluindo os cursos de água e ameaçando a biodiversidade. Como resultado, a terra de que os agricultores dependem inerentemente está a esgotar-se lenta mas progressivamente.

Através da agricultura regenerativa, os agricultores podem inverter esta tendência.

A gestão regenerativa é uma abordagem à agricultura que procura restaurar os agroecossistemas. Dá grande importância à saúde do solo, captura CO2 da atmosfera, aumenta a biodiversidade das explorações e otimiza a gestão da água.

Um dos aspectos mais promissores da agricultura regenerativa é o facto de cultivar uma biologia do solo diversificada e ativa que fornece uma nutrição adequada às plantas.

A abordagem elimina os insumos químicos, optando por um conjunto diversificado de práticas adaptadas às condições únicas existentes na exploração agrícola.

O recente esforço para mitigar os efeitos das alterações climáticas significa que os agricultores que estão a fazer a transição para a agricultura regenerativa podem ter acesso a apoio financeiro para os seus esforços.

Os fertilizantes são um dos principais emissores de gases com efeito de estufa. Ao reduzi-lo ou removê-lo do seu sistema agrícola, pode gerar Créditos Carbon+.

Como os agricultores podem cortar os laços com os fertilizantes sintéticos

Exploração agrícola de Manuel Troya, Pajaretillo

Exploração agrícola de Manuel Troya, Pajaretillo

Como abordagem sistémica, o primeiro passo na agricultura regenerativa é a construção de um solo saudável e repleto de vida biológica. Com o passar do tempo, as culturas cultivadas em solos altamente funcionais requerem menos intervenção, permitindo aos agricultores eliminar a utilização de fertilizantes.

Mas como é que isto funciona no mundo real? Manuel Troya é o gestor de Pajaretillo, uma exploração pecuária na Serra de Cádis, em Espanha. Ele está a fazer a transição da sua exploração agrícola para a agricultura regenerativa através do nosso Programa Carbon+.

De acordo com Manuel, os custos dos seus insumos diminuíram 20% desde que cortou relações com os fertilizantes químicos. Os resultados também vão para além da sua carteira. A biodiversidade aumentou, o seu solo é mais saudável e tem mais acesso à água.

Manuel atribui o seu sucesso ao impacto da gestão holística. Como ele diz:

“O fertilizante mais eficaz não é de base química. É o descanso do solo e o impacto animal.”

Frank Glorie, o gerente da GAEC Nolaine em França, faz eco da mensagem de forma semelhante. A sua exploração regenerativa nunca utilizou fertilizantes artificiais ou pesticidas. Em vez disso, a sua exploração agrícola tem mantido uma elevada produtividade através de um conjunto diversificado de práticas.

“As explorações agrícolas não precisam de fertilizantes. Precisam de estímulos para disponibilizar os nutrientes livres do solo para utilização. Se for feito da forma correcta, é altamente rentável”


— Frank Glorie

O DESAFIO

A eliminação dos fertilizantes não acontece de um dia para o outro. Se mudar repentinamente de um sistema para outro, corre-se o risco de reduzir os rendimentos e as receitas.

Como salienta Ashish Kaour, um agricultor que está a fazer a transição para a agricultura regenerativa, trata-se de uma grande mudança. “A agricultura paralela é uma obrigação até que as suas finanças estejam estáveis”.

Embora tenha sido demonstrado que a agricultura regenerativa pode aumentar os lucros em até 60%, os agricultores devem primeiro passar por um período de transição.

A queda inicial na produtividade da terra e os custos associados durante a transição são, sem dúvida, um desafio. Mas através do nosso Programa Carbon+, pode aceder a apoio financeiro enquanto faz a mudança.

¿Quieres apoyo para implantar la agricultura regenerativa?

OBSERVAÇÕES FINAIS

Os agricultores são altamente especializados em adaptabilidade. Embora a transição para a agricultura regenerativa exija um tipo de adaptação novo e desconhecido, é inegável que a recompensa vale a pena.

Cortar os laços com os fertilizantes químicos não acontece de um dia para o outro. Mas se fizer a mudança agora, estará significativamente melhor posicionado no futuro.