Estamos a entrar na era do investimento regenerativo

Blog post 11 – manuel troya-featured image
7 Ago, 2023
— admin

Não pode consertar sistemas quebrados com um sistema financeiro quebrado.

No meio das múltiplas crises que enfrentamos atualmente, precisamos de investimentos corajosos e com visão de futuro que produzam um impacto profundo e tangível. O que precisamos é de investimento regenerativo.

A Climate Farmers demonstrou que é possível uma nova abordagem: uma abordagem que coloca o objetivo no mesmo pedestal que o lucro. Angariámos 2,5 milhões de euros em financiamento de Kai Viehof, mas não é de forma alguma convencional. Um empréstimo subordinado orientado para a missão e alinhado com o valor que vira os actuais paradigmas de financiamento de pernas para o ar.

Neste artigo, vamos explorar o conceito emergente de investimento regenerativo e mostrar-lhe como os investidores podem – e devem – ser uma força fundamental para mobilizar a mudança.

POR QUE É QUE PRECISAMOS DE REPENSAR O INVESTIMENTO

O nosso atual sistema de investimento é degenerativo por definição.

Apesar de todo o seu sucesso na criação de riqueza monetária, falhou igualmente na geração – e não menos importante, na preservação – do capital natural. Os serviços dos ecossistemas de que dependemos intrinsecamente foram esgotados em nome do lucro e da acumulação.

Tratámos a natureza como um armazém, esvaziando as suas prateleiras e extraindo as suas matérias-primas para além da sua biocapacidade de regeneração. Mas precisamos de perceber que nós, humanos, somos uma parte da natureza, não estamos acima dela. Uma empresa, uma economia ou uma sociedade saudáveis não podem existir num ambiente de vida marcado por males.

“Temos a responsabilidade de resolver a contradição entre a satisfação humana a curto prazo e a proteção a longo prazo da vida na Terra.”


— Kai Viehof

Muitos fundos de capital de risco centram-se na maximização do crescimento e não no impacto. Mesmo a maior parte dos chamados “investidores de impacto” seguem este mesmo manual. Os impactos sociais ou ambientais positivos, se ocorrerem, tendem a ser mais um subproduto.

Mas até que ponto faz sentido maximizar o crescimento enquanto a humanidade e o planeta se desmoronam? Precisamos de investimentos que estejam ao serviço de toda a sociedade.

As organizações têm a responsabilidade de cumprir a sua missão, enquanto os investidores podem – e devem – desempenhar um papel fundamental na redefinição da forma como os seus fundos são distribuídos.

“Muitos fundos de capital de risco pegam em algo que não é seu e espremem-lhe o valor. As grandes ideias que têm um impacto positivo na sociedade não se desenvolverão, crescerão ou prosperarão com esse tipo de investimento.”


— Kai Viehof

O PROBLEMA DO INVESTIMENTO DE IMPACTO

Já passaram 16 anos desde que o termo “investimento de impacto” foi criado. Desde então, o sector evoluiu significativamente, mas uma coisa permanece verdadeira: o investimento de impacto tem um problema de impacto.

Há muito que as pessoas da comunidade do investimento de impacto se interrogam sobre a existência de um compromisso entre o impacto e o retorno financeiro. Contrariamente a este debate altamente controverso, é possível produzir um impacto profundo e, ao mesmo tempo, obter um retorno justo. Mas a ênfase está no “justo”.

À medida que a definição de riqueza e capital se expande para incluir mais do que aquilo que o dinheiro pode medir, o valor de dar prioridade ao impacto profundo em detrimento da maximização do lucro torna-se mais visível.

“Se aprendermos a compreender a riqueza de uma forma holística e não apenas em termos monetários, compreenderemos que, ao regenerar a saúde e a riqueza das as nossas comunidades e ecossistemas, estamos a criar riqueza para todos.”

 

— Daniel Christian Wahl

O PARADIGMA EMERGENTE DO INVESTIMENTO REGENERATIVO

O investimento regenerativo está a emergir como uma ferramenta fundamental para resolver problemas sistémicos. O conceito nasceu em 2015, quando John Fullerton expôs os princípios da economia regenerativa. Os lucros são vistos como um meio e não como um fim, enquanto a circulação substitui a acumulação.

“A transição para uma economia regenerativa consiste em ver o mundo de uma forma diferente – uma mudança para uma visão ecológica do mundo em que a natureza é o modelo. O processo regenerativo que define sistemas vivos e prósperos deve definir o próprio sistema económico.”


— John Fullerton & Hunter Lovins (2013)

O investimento regenerativo proporciona financiamento adaptado para maximizar o impacto das empresas sociais, dos projectos liderados pela comunidade e das iniciativas ambientais restauradoras

De acordo com este modelo, a riqueza é redefinida em função de múltiplos tipos de capital, em vez de ser estritamente financeira. Equilibra a balança do controlo económico, revê as normas de crédito excludentes e utiliza o capital de forma mais imparcial, eliminando as condições de reembolso e os requisitos de garantia que são degenerativos por definição.

Através dos princípios centrados na vida dos sistemas regenerativos, surge um novo amanhecer. Podemos redefinir o nosso papel nesta terra, dando prioridade à restauração sobre a extração, à colaboração sobre a competição e ao objetivo sobre o lucro.

O ESTUDO DE CASO DA CLIMATE FARMERS

 

O investimento de 2,5 milhões de euros de Kai Viehof na Climate Farmers constitui um caso de estudo único de investimento regenerativo. A sua estrutura garante que a Climate Farmers se mantém focada na sua missão. E embora os investidores tenham direito a um retorno justo, a maximização dos lucros dos accionistas não é o objetivo principal.

O modelo de propriedade dos administradores, iniciado por empresas como a Ecosia, foi aplicado à nossa missão. Ao instituir uma entidade de controlo, todas as decisões importantes têm de servir tanto os interesses da empresa como a nossa missão de promover uma mudança sistémica no sector agrícola.

A nossa ligação com Kai foi feita através dos nossos amigos do ProjectTogether, uma organização dinâmica sem fins lucrativos que une pessoas, políticos e empresas para uma ação colectiva.

Como financiador do programa Farm-Food-Climate, foi através do ProjectTogether que o interesse de Kai na mudança dos sistemas alimentares foi despertado. Desde então, passou a fazer parte de um movimento de financiadores iniciado pela organização que apoia empresas com um forte enfoque na mudança sistémica.

“A maioria dos investidores de impacto com quem falámos – e nós falámos com a maioria – espera que uma empresa de impacto social dê lucros nas mesmas condições que uma empresa puramente comercial. Como fundadores da Climate Farmers, renunciamos a retornos significativos no interesse da missão da nossa empresa. Precisamos de investidores que se alinhem com essa visão. Kai é um exemplo ainda raro de um investidor corajoso disposto a apoiar a mudança sistémica.”


— Ivo Degn, CEO & co-founder of Climate Farmers

A transição em larga escala para a agricultura regenerativa não pode ser financiada através de investimentos extractivos. O modelo atual de hipercrescimento e saída e de investimento de capital de risco não é compatível com a criação de um futuro sustentável.

Para fazer avançar as discussões em torno do investimento regenerativo, vamos organizar um evento online, ‘Dia do Investimento de Impacto Regenerativo’, em 12 de setembro de 2023, às 16 horas (CET).. Se é um investidor interessado em explorar este paradigma emergente, junte-se a nós.

OBSERVAÇÕES FINAIS

Como Neal Spackmann disse uma vez: “Não somos destrutivos por natureza, mas por hábito, e o nosso potencial de regeneração reflecte o nosso potencial de destruição. Se reconhecermos o nosso verdadeiro papel como espécie-chave, podemos tornar-nos o principal vetor de recuperação da Terra”.

Temos de sair deste ciclo tóxico de conceção económica extractiva. Felizmente, nós, humanos, concebemos este sistema e está ao nosso alcance redesenhá-lo.

A transição para uma economia regenerativa está ao nosso alcance. As ferramentas, estruturas e processos estão à nossa disposição, à espera de serem aproveitados. Agora, precisamos que outros sigam o exemplo.